COMO É DIFÍCIL INVESTIR EM TURISMO, NÃO É SEDAM? TURISMO E MEIO AMBIENTE?

Gostei da matéria postada no site do Sindicato das Micros e Pequenas Industrias de Rondônia – SIMPI sobre o período de DEFESO, que começou no último dia 15, sob a coordenação da SEDAM. Veja o que os micro empresários publicaram:
***********
COMO É DIFÍCIL INVESTIR EM TURISMO, NÃO É SEDAM?
***********
TURISMO E MEIO AMBIENTE?
**********
O governo do estado de Rondônia através da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – SEDAM, publicou no Diário Oficial do dia 1º de novembro, a Portaria 388/2018, proibindo em todos os rios e afluentes de Rondônia a partir do dia 15 (último), a pesca profissional e amadora.
*********
A Portaria ressalta que a pesca AMADORA ESPORTIVA na categoriaPESQUE E SOLTE, está liberada tanto na calha do Rio Madeira, quanto em trechos desde a divisa entre o Amazonas e Rondônia, até a boca do Rio Mamoré.
*********
Diante das coordenadas publicadas pela SEDAM, que libera a Pesca Esportiva apenas na Calha do Rio Madeira e na divisa entre o Amazonas e Rondônia até a Boca do Rio Mamoré que fica nas proximidades de Guajará Mirim, os empresários que atuam no ramo do Turismo de Pesca Esportiva nos Vales do Guaporé e Jamari cobram da SEDAM, uma revisão da Portaria 388/2018, no sentido da liberação da Pesca Esportiva nos rios dos citados Vales.
**********
Lembram os empresários, que, apesar de o governo disponibilizar recursos, que serão repassados aos pescadores durante o período do Defeso, seus empreendimentos (Hotéis, Barcos especiais e Pousadas), ficarão fechados, até o final da vigência da Portaria, que será no dia 15 de maço de 2019.
*********
“Lembramos que, durante esse período, não deixaremos de pagar os salários e encargos sociais dos nossos empregados. O Defeso é pago apenas aos pescadores profissionais e esses, não utilizam o sistema hoteleiro da região”.
**********
Empresários do setor, solicitam às autoridades do Meio Ambiente, a imediata revisão da Portaria, liberando a Pesca Esportiva nos Rios do Vale do Guaporé e Jamari. Diz a matéria.
**********
Tenho a impressão, que os técnicos responsáveis pela elaboração da portaria, deixaram de fora os rios que formam os Vales do Jamari e Guaporé, por desconhecerem a geografia regional.
********
São daqueles que confundem Rondônia com Roraima. Como é que pode, liberarem a pesca esportiva na Calha do Madeira e deixarem o Jamari que é seu afluente fora.
********
E mais, a pesca esportiva em Rondônia é praticada com mais frequênciajustamente, no Vale do Guaporé. Em Pimenteiras por exemplo, existem vários Barcos/Hotéis que recebem turistas de praticamente todo o mundo. Outras cidades do Vale do Guaporé vivem exclusivamente do Turismo da Pesca Esportiva.
*********
Não sei até que ponto a pesca esportiva (pesca e solta) prejudica tanto a reprodução dos peixes, nos rios do Vale do Guaporé.
*********
Qual a diferença da PIRACEMA do Rio Madeira para a PIRACEMA do Vale do Guaporé e Jamari?
*********
Os empresários hoteleiros do Vale do Guaporé e Jamari precisam se manter durante o período do DEFESO.
*********
Como não sou pescador, vou contar história, assistindo as peças de Balé no Ginásio do SESI, já que o Palácio das Artes continua interditado.
********
Interditado por conta da falha humana, que provocou a queda da Vara que abre e fecha as cortinas da “Boca” do Palco.
*********
Se os peritos detectaram que a falha foi humana, por que não cobram dos produtores do Espetáculo Sobre os Mamonas Assinas responsável pelo ocorrido?
*********
Eles podem até dizer, que a falha foi da direção do Teatro, mas, não foi! Foi dos técnicos contratados por eles, para o espetáculo daquela noite, que não aconteceu em virtude do incidente.
*********
Assim sendo, temos que pescar em outra freguesia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *