Região Norte registrou 230 mil indenizações para motociclistas

Dados da Seguradora Líder, administradora do Seguro DPVAT, mostram que a categoria de Motociclista foi responsável por aproximadamente 54%, um total de 231.294 mil, das indenizações pagas por acidente de trânsito na Região Norte na última década. Para se ter ideia, o total de sinistros pagos para condutores de automóveis, nesse mesmo intervalo, foi de 11.639 indenizações. Ao todo, foram 334.469 indenizações para acidentes envolvendo motocicletas entre os três tipos de vítimas: motoristas, passageiros e pedestres.

De acordo com o levantamento, Rondônia é o estado com o maior número de indenizações pagas a motociclistas na Região: 82 mil, cerca de 37% do total. Em sequência estão o Pará, 75 mil indenizações, e Roraima, com 27 mil. Amazonas e Tocantins registraram 17 mil sinistros pagos cada. Por fim, Acre e Amapá indenizaram, respectivamente, 8 mil e 2 mil condutores de motocicletas nos últimos dez anos. Em toda a Região, de 2008 a 2017, mais de 421 mil pessoas foram indenizadas pelo Seguro DPVAT nos três tipos de cobertura: morte, invalidez permanente e despesas médicas e hospitalares.
Somente em 2018, de janeiro a junho, 17.695 pessoas foram indenizadas por acidente de trânsito na Região Norte. Seguindo a tendência dos últimos anos, as motocicletas continuam sendo as responsáveis pela maior incidência de indenizações. Já são 15.109 indenizações pagas em toda a Região, 85% do total. Os condutores do veículo representam mais de 10 mil dos sinistros pagos (72%).

Dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) mostram que, dos 3,5 milhões de motoristas na Região Norte, mais de 2,4 milhões estão habilitados para guiar motocicletas. Ainda de acordo com o Denatran, o número total de motos no estado é de aproximadamente 2 milhões. O veículo, que representa 50% da frota regional, concentra o maior índice de indenizações pagas, 80% no total.

Em relação ao perfil dos indenizados, segundo os números da Seguradora Líder, a maior incidência de indenizações pagas para condutores de motocicletas pelo Seguro DPVAT foi para vítimas do sexo masculino, na faixa etária considerada economicamente ativa, de 18 a 34 anos.

Muitos fatores contribuem para o grande número de acidentes com motocicletas no trânsito brasileiro. Entre os principais motivos estão o comportamento de risco e o desrespeito às normas de segurança.

Os motociclistas também devem estar atentos ao uso de equipamentos de proteção, como capacete, viseiras ou óculos e calçados que ofereçam conforto e segurança na direção. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde, 41% dos usuários de moto afirmam não usar o capacete na garupa. Também é preciso atenção redobrada às revisões e manutenção do veículo.

Além disso, por conta da maior exposição e da alta velocidade do veículo, os motociclistas estão mais suscetíveis ao risco. Assim, é fundamental conscientizar e educar os condutores em busca da redução do alto número de acidentes de trânsito no país envolvendo motos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *