Bolsonaro anuncia apoio especial para Rondônia, por Marcelo Freire

Em entrevista exclusiva na tarde de ontem à TV Bandeirantes, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), prometeu, a partir de janeiro, um tratamento diferenciado para os Estados onde obteve o maior índice de votação proporcional na região Norte. Ele se referiu aos estados de Rondônia, Acre e Roraima, que lhe proporcionaram respectivamente a seguinte votação no segundo turno: 71,55%,  77,22%  e 72,18%.

Ao jornalista José Luiz Datena, Jair Bolsonaro admitiu que não tem condições de os Estados produzirem com a atual legislação em vigor.  Segundo o presidente eleito, esses Estados enfrentam uma realidade bem diferente com relação às demais regiões do país. Ele entende que não há como Rondônia, Acre e Roraima avançarem com a atual legislação onde os donos de propriedades rurais têm apenas 20% para produção e 80% da propriedade rural preservada.

Bolsonaro lembrou da visita que fez a Rondônia no primeiro turno, ao lado do governador eleito Marcos Rocha (PSL). Dos Estados da região Norte,  Rondônia é o único que vive uma realidade diferente. Um levantamento produzido ontem pelo jornal Folha de São Paulo, mostra que Marcos Rocha assumirá um Estado com menos problemas e condições de governabilidade, mas que precisará muito da ajuda do governo federal.

O apoio do presidente eleito é importante para o futuro governador, principalmente com relação a transposição dos servidores públicos do Estado ao quadro do governo federal. É importante destacar que o atual presidente da República, Michel Temer (MDB) é do mesmo do ex-governador Confúcio Moura (MDB). Ocorre que a transposição do funcionalismo público na gestão Temer não avançou e muito menos a negociação da dívida do extinto Banco do Estado de Rondônia (Beron).

Se o presidente eleito Jair Bolsonaro resolver esses dois problemas que se arrastam há anos, Rondônia terá tudo para entrar na lista dos Estados mais eficientes do país como Paraná, São Paulo e Santa Catarina. Nas demais regiões, os governadores assumirão um Estado completamente endividado e com orçamento bem menor com relação aos governadores que tomaram posse em 2014.

Marcos Rocha conta ainda com um aliado importante no seu futuro governo: o apoio do agronegócio, fundamental na sua eleição. Hoje a força do agronegócio está em Porto Velho e no Cone Sul do Estado, onde o candidato obteve expressiva votação. Jair Bolsonaro também recebeu adesão em peso do agronegócio, principalmente na região do Mato Grosso, onde residem os maiores plantadores de soja do mundo.

 

Fonte: Jornal Diário da Amazônia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *